Por que o tempo passa tão rápido?

Como o dia passou rápido!… Já estamos no meio do ano!… Este ano voou!… você já ouviu isso de alguém? já falou também? Parece-me que esta idéia é senso comum hoje em dia. Por que temos mais e mais esta sensação?
A Noção de tempoPara a psicóloga Maria Alice Pimenta, professora da UFRGS, a noção de tempo tem muito a ver com a questão de nossa memória e nossas expectativas.

Por isso, penso, não temos noção nenhuma do nosso tempo de bebê, quando somos crianças o tempo custa mais a passar devido às nossas expectativas e quanto mais envelhecemos aumenta a sensação de que o tempo está mais veloz devido à riqueza de informações do passado em nossa memória e a diminuição gradativa das nossas expectativas.

Segundo Airton Luiz Mendonça o cérebro “mede” o tempo por meio da observação dos movimentos dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol. Há outro ponto a considerar: nosso cérebro é extremamente otimizado, ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho, por isso a maior parte de nossas ações diárias é automatizada.

Quando você vive uma experiência pela primeira vez ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo, isso acontece, por exemplo, quando estamos aprendendo a dirigir. No início é tudo tão complicado, mas com a prática torna-se algo em que você não precisa mais “pensar” para realizar. Estas ações automatizadas passam despercebidas por nós, ou seja, o que faz o tempo parecer que acelera é a rotina.

Outro fator que desencadeia esta sensação é a ansiedade, hoje em dia somos bombardeados com uma quantidade absurda de informações.

A tecnologia tornou a vida mais ágil, informações que demoravam horas ou até dias para serem obtidas, hoje demoram minutos ou até segundos, mas tudo tem um limite. As pessoas estão cada vez mais pressionadas a fazerem mil coisas durante o seu dia, e aí o tempo não dá mesmo.

Quais seriam, então, as soluções para amenizar esta sensação? Porque o tempo realmente não pára nem espera, muitas vezes ele dispara…

É preciso desacelerar. O teólogo e escritor Leonardo Boff acredita que a única maneira de combater a pressa é por meio de outro paradigma cultural, “que dá mais importância ao ser que ao ter e que integre ser humano e natureza.

Dentro do atual paradigma caracterizado pela velocidade e eficiência, só é possível tendo atitudes anticulturais, conscientemente desligar-se dos ritmos impostos, reduzir o uso da TV, do rádio e dos celulares (eu acrescento da internet) vivendo uma vida voluntariamente mais simples e centrada mais no que é necessário.

A mentalidade materialista também é abordada como um dos grandes fatores para o desperdício de tempo no livro “Tempo de Viver” do neurocientista Ivan Izquierdo, do Centro de Memória da UFRGS.

Segundo ele nós vivemos numa sociedade anestésica, perseguindo nossos bens materiais, acabamos nos distraindo do nosso mundo pessoal onde habitam sentimentos, amores, nossas preferências e imaginação. Para Izquierdo, disciplina e saber dizer não são imprescindíveis para aproveitarmos melhor nosso tempo.

Para Airton Luiz Mendonça o antídoto para a aceleração do tempo tem uma sigla: M&M (Mude e Marque).

Mude, fazendo algo diferente, e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registre com fotos.

Viaje sempre nas férias, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte e marque com fotos, cartões postais e cartas.Tenha filhos, eles destroem a rotina.

Faça festas de noivado, casamento, bodas disso e daquilo, vá a shows, cozinhe uma receita nova, escolha roupas diferentes, tenha amigos diferentes com gostos diferentes, religiões diferentes e que gostem de comidas diferentes… entre muitas outras sugestões.

Particularmente, achei o M&M meio forçado, nem todo mundo tem condições de viver uma vida de viagens, festas, roupas diferentes, shows…etc.

Viver intensamente muitas vezes depende de ações mais simples no nosso dia-a-dia, cada um deve estabelecer suas prioridades com equilíbrio para depois não cair naquela roda viva de stress, ansiedade, depressão…

att

Como liberar acesso Root no Samsung Galaxy Ace S5830, GT-S5830B, GT-S5830C e Duos GT-6802B

O procedimento foi realizado, com sucesso, no Samsung Galaxy Ace S5830, GT-S5830B, GT-S5830C e no Galaxy Ace Duos GT-6802B  com o sistema operacional Android 2.3.6.

  1. Faça o Download do arquivo AceGingerRoot : Baixar - - zip.zip
  2. Armazene o arquivo baixado no cartão de memória do Galaxy Ace e depois desligue o aparelho;
  3. Ligue o aparelho pressionando, simultaneamente, o botão >  Volume pra cima + Home + Power (Assim entraremos no modo Recovery do celular);
  4. Utilizando os botões de volume para navegar e home para confirmar, escolha a opção apply update from sdcard e depois o arquivo AceGingerRoot.zip. Para reiniciar o sistema, clique em reboot system now.
  5. Prontinho ! Seu Galaxy Ace já está com acesso Root. Para confirmar veja se foi instalado o aplicativo SuperUse.

Como instalar programas do android no cartão de memória (SD)

Para quem tem um celular com pouca memória interna e tem um cartão SD com muito espaço, poderia instalar todos os aplicativos diretamente no cartão SD. Por padrão todos apps são instalado na memória interna, logo abaixo ensino como mudar o local padrão de armanezamento.

Instale no seu android o Apps Terminal Emulator, disponivel gratuitamente no Google Play. Clique aqui para baixar

Nota: Para a execução do código abaixo o programa Terminal Emulator deverá ter permissão (root), caso contrário não vai funcionar.

1- abra o Terminal Emulator.
2- digite pm setInstallLocation 2 e de enter.
3- pronto. saia do aplicativo

Agora você podera mover quase todos os aplicativos que estão no seu cartão.

Para mover acesse no seu android o menu > “Configurações>Aplicações>Gerenciar Aplicações”.

É recomendado não transferir os aplicativos do sistema, somente jogos, aplicativos de terceiros e alguns Widget.

att